Ramos Rosa em 1988

António Ramos Rosa (1988) Expresso

«Data de 1958 o primeiro livro de Ramos Rosa, O Grito Claro,­ cumprindo agora o autor trinta anos de percurso poético. É um longo caminho de exploração da linguagem, de demanda, não apenas artística, mas também de auto-conhecimento, que vêm a ser­ compensado com o prémio Pessoa. Poeta modernista, tenta libertar as energias expressivas­ reprimidas, tornando-se […]

Shakespeare sobre os estrangeiros

Numa peça sobre Thomas More encontra-se parte manuscrita atribuída a Shakespeare – reescrita e censurada. Depois da morte de Isabel I em 1603, Shakespeare acrescenta-lhe 147 versos no meio da acção em que More tenta aplacar um motim em Londres contra os imigrantes – os ‘estrangeiros’. O vídeo reune essas falas com outras frases do bardo […]

Gekkō e Ryōkan

Ogata Gekkō (1859-1920) Mestre Meiji – Lua com ondas o roubador só deixou para trás na minha janela a lua Taigu Ryōkan (1758-1831), monge poeta [Trad. H. Barbas 21.05.2018] Ogata Gekkō – que mudou o nome para “luar” – foi um autodidacta que revolucionou todas as regras da gravura ukiyo-e. Viveu durante o Império de Meiji […]

Casimiro de Brito – uma leitura

Casimiro de Brito

Nos oitenta anos do poeta Casimiro de Brito, recupero uma crítica antiga a um livro de 2000 – Na Via do Mestre – que já vai na sua terceira edição. «Mutações das imagens O NOVO e belíssimo livro de poemas de Casimiro de Brito inspira-se, confessadamente, numa obra-prima da literatura e filosofia chinesas: o Dao […]

Mares

Não fora o mar, e eu seria feliz na minha rua, neste primeiro andar da minha casa a ver, de dia, o sol, de noite a lua, calada, quieta, sem um golpe de asa. Não fora o mar, e seriam contados os meus passos, tantos para viver, para morrer, tantos os movimentos dos meus braços, […]