O deus deserta António – Konstantin Kavafis

António Vassilacchi (1556-1629) Batalha de Actium (22 de Setembro 31 a.C) Mural (1600) (80×55 cms.) Museu do Vaticano

O deus deserta António

Subitamente à meia-noite, ao ouvires
a procissão invisível a passar
com música requintada, vozes –
não deplores a tua fortuna em queda
os actos falhados os planos da tua vida
tornados falácias, é inútil lamentar.
Como se há muito preparado, como se corajoso
diz-lhe adeus à Alexandria que parte.
Sobretudo não te iludas, não digas que
foi um sonho, que os teus ouvidos te enganaram
evita tais falsas esperanças.
Como se há muito preparado, como se corajoso,
como te cabe sendo digno de tais cidadãos,
firmemente aproxima-te da janela,
e escuta com emoção, mas sem
lamentações ou desculpas cobardes,
tal um último prazer, aqueles sons
dos requintados instrumentos da procissão mística,
e diz adeus à Alexandria que estás a perder.

[Trad. livre H. Barbas 24Nov2014]
in http://www.cavafy.com/poems/content.asp?id=12&cat=1
(C.P. Cavafy, Collected Poems. Translated by Edmund Keeley and Philip Sherrard. Edited by George Savidis. Revised Edition. Princeton University Press, 1992)

partilhar