Porque hoje (ou amanhã) é dia de São Jorge, uma das interpretações de Paolo Ucello (1470) na National Gallery.

A intriga da história vem na Lenda Dourada de Varazze, capítulo 56, página 365 na versão integral em brasileiro. O diálogo reza assim:

Ela – princesa da terra ameaçada pelo dragão, última vítima disponível, avisa-o: «”Vejo  que  você  é  bom  rapaz,  de  coração  generoso,  mas  quer  morrer  comigo?  Fuja!  Depressa!”  Jorge  replicou:  “Não  irei  embora  antes  que  me  conte  o  que  está  acontecendo”. Depois  que  a  moça  expli­cou  tudo,  Jorge  disse:  “Minha  filha,  nada  tema,  porque,  em  nome  de  Cristo,  vou  ajudá-la”.  Ela  replicou:  “Você  é  um  bom  cavaleiro,  mas  salve-­se  imediatamente,  não  pereça  comigo!  Basta  que  eu  morra  sozinha,  por­que  você  não  poderia  me  livrar  e  pereceríamos  juntos”.

Enquanto  conversavam,  o  dragão  pôs  a  cabeça  para  fora  do  lago  e  foi  se  aproximando.  Toda  trêmula,  a  moça  falou:  “Fuja,  meu  bom  senhor,  fuja  depressa”  Jorge  montou  imediatamente  em  seu  cavalo,  protegeu­-se  com  o  sinal-da-cruz,  e  com  audácia  atacou  o  dragão  que  avançava  em  sua  direção.  Brandindo  a  lança  com  vigor,  recomendou-se  a  Deus,  atin­giu  o  monstro  com  força,  jogando-o  ao  chão,  e  disse  à  moça:  “Coloque  sem  medo  seu  cinto  no  pescoço  do  dragão,  minha  filha”  Ela  assim  o  fez  e  o  dragão  seguiu-a  como  um  cãozinho  muito  manso.»