dotes dramáticos

Passou em tudo o que era canal a exibição do senhor ministro da economia na AR – anda já devidamente comentada nas redes sociais e com direito a vários vídeos:

Informa que o governo eliminou muitas «tachas» e «tachinhas» – mas de «tachinhos» não falou. Jornalistas piedosos consideraram aquilo «ironia» – é mais uma ofensa também à retórica. Dramaticamente chama-se «carregar na farinheira». Semi desculpou-se depois informando que seria capaz de fazer mais… melhor duvida-se.
A todos evocou um outro espectáculo de outro ministro, também da economia – Manuel Pinho em Julho de 2009 – e recorro aqui às palavras de Daniel Oliveira, para fazer um pequeno desvio: soube-se depois que Pinho tinha pedido a demissão e lhe havia sido recusada – até à cena fatal. Surge a seguir como administrador da herdade da comporta. Por analogia – uma outra figura de retórica – fica a pergunta se também a Pires de Lima terá sido recusada uma demissão, e que honrarias estarão à sua espera.

partilhar

Reader Comments

  1. Com todo o respeito pela sua opinião, não me parece que cada figura triste de um político mereça uma demissão. Mais vale prevenir do que remediar e os políticos actuais estão cheios de pensos rápidos – triste remedeio.

    1. Caro Nuno Resende – a minha proposição é exactamente o contrário – fazem-se figuras tristes para se alcançar a demissão?

Comments are closed.